8 dicas para abrir o seu próprio negócio sem largar o emprego

Ser um empreendedor pode ser uma tarefa muito complicada. Principalmente porque ao abrirmos uma empresa corremos um risco comum a todas as novas empresas; É impossível sabermos à partida se vamos ser bem sucedidos ou não! Por essa razão, manter o posto de trabalho no emprego é sem dúvida uma escolha mais realista. Sim, eu sei, a profissão que temos agora, seja programadores em Beja (o que eu era 🙂 ) ou arquitectos em lisboa, não nos vai fazer ficar ricos! Mas afinal de contas, quando estamos a começar, temos de nos lembrar que ainda é essa profissão que nos paga as contas e por isso, até a nova “aventura” correr bem, é melhor jogar pelo seguro!

Segundo o empreendedor Ryan Robinson, na maioria dos casos é possível empreender sem deixar o trabalho. Assim, se a empresa der para o torto, ainda teremos uma fonte de rendimentos!
É importante salientar que alguns negócios requerem atenção exclusiva. Robinson sugere que, antes de se tentar ter duas profissões, o empreendedor estude sua situação e decida se é possível compatibilizar as duas atividades. Se for possível manter o seu trabalho de dia e empreender à noite (ou vice-versa), tanto melhor!

Aqui ficam as dicas:

1. Pergunte-se se ser empreendedor é efetivamente o que caminho que quer seguir
Ao conciliar trabalho com um negócio próprio, tem de se priorizar as duas atividades, em detrimento da vida pessoal. Não vale a pena comprometer-se a este desafio duplo se não estiver completamente convencido de que é isto que quer.

Ryan Robinson sugere que, para tomar uma decisão, o empreendedor deve tomar nota de todas as atividades e compromissos da sua agenda semanal. Depois, leia o que escreveu e reflita: Há alguma atividade mais importante do que o desejo de ser empreendedor. Se houver, talvez o melhor seja continuar apenas com o seu emprego.

2. Dominar os conhecimentos fundamentais
Quem gere uma empresa precisa de ter conhecimentos em muitas áreas. Não é fundamental ser um especialista nessas matérias, mas é preciso ter uma noção razoável. Isto para evitar que sejamos nós mesmos a razão do eventual fracasso do negócio. 🙂

Antes de abrir empresa, é importante tentar compreender alguns conceitos fundamentais sobre administração e gestão de pessoas. Não é preciso tirar um curso! Mas uma série de pequenas formações podem ajudar muito.

3. Valide as suas ideias
A inspiração para o início de um negócio vem normalmente de uma ideia base. Muitos empreendedores convencem-se de que têm projetos revolucionários nas mãos. O problema é que, muitas vezes, a ideia não é assim tão espetacular. Antes de abrir empresa, é importante validar a ideia de negócio: seja conversando com especialistas na área, com o potencial público-alvo e mesmo com amigos. É preciso perceber se existe realmente interesse nos serviços ou produto que pretendemos criar.

4. Ter alguma coisa que o diferencie
Para ultrapassar a concorrência, devemos ter algo diferente. Basicamente, temos duas opções: vender mais barato ou oferecer um serviço/produto melhor. Ao oferecer o mesmo que a concorrência, é mais difícil atrair e fidelizar clientes.

5. Delegar atividades
Numa empresa, não podemos fazer tudo sozinhos por duas razões principais: Porque não somos especialistas e porque vai faltar tempo para dar conta de tudo. Por esse motivo, é preciso ter funcionários ou mesmo outras empresas que ajudem na gestão da empresa. As áreas que serão delegadas devem ser selecionadas a partir do conhecimento que temos e do dinheiro que temos para despender para estes serviços.

6. Procurar feedback
Devemos tentar saber o que está a correr bem e o que precisa de ser corrigido e/ou melhorado na empresa. Para isso, é preciso ouvir os clientes. Disponibilize-se para os ouvir, seja através de um telefonema, um e-mail, ou mesmo as redes sociais. O importante é que todos os contatos sejam respondidos.

7. Dividir tarefas das duas empresas
Ryan Robinson assegura que empreendedores que ainda têm o seu emprego não podem tratar de assuntos relacionados com o seu próprio negócio durante o horário de trabalho. Ao não nos dedicarmos ao emprego corremos o risco de ficar desempregados. Posso dizer de experiência própria, que esta foi a minha maior dificuldade quando decidi ser empreendedor.

8. Deixar o emprego no momento certo
Ao decidirmos conciliar o emprego e o empreendedorismo, supõe-se que a prioridade é o sucesso do nosso próprio negócio, para assim, em determinado ponto, abandonarmos o nosso emprego.
Ryan Robinson afirma, no entanto, que a dedicação exclusiva à nossa própria empresa deve acontecer em dois casos: quando tivermos a convicção suficiente de que a sua empresa vai ter sucesso ou quando o retorno financeiro do negócio for suficiente para se tornar a única fonte de rendimento.

A partir do momento em que deixamos o emprego, é a altura de fazer crescer ainda mais a nossa empresa. Com dedicação exclusiva, passamos a ter mais tempo para melhorar processos e agilizar etapas.