7 filmes motivacionais para empreendedores

Mais do que apenas um simples momento para relaxar, uma sessãozinha de cinema em casa pode servir pura e simplesmente para inspiração. Quaisquer empreendedores que estejam passam por uma fase mais longa, tortuosa e difícil no caminho para alcançar o sucesso, necessitam de fontes de motivação e os filmes podem muito bem ser uma alternativa.
Convicto disso mesmo, aqui fica a minha lista com sete filmes que vão com certeza ajudar todos os empreendedores na sua mentalidade e motivação:

1. “Joy”

A história da criadora de um esfregão que é visto como a solução que vai facilitar a forma como se faz de limpeza da casa é, sem dúvida uma lição de empreendedorismo. O filme enaltece aqueles que iniciam o próprio negócio do zero, sejam empresas de limpeza em lisboa ou multinacionais em Nova Iorque, sem contar com ninguém que apoie essa decisão, nem mesmo a própria família.

2. Jerry Maguire

O filme poderá ser considerado como uma comédia romântica, mas o papel de Tom Cruise e a missão do seu personagem protagonista, sintetiza uma lição de enorme importância para qualquer empreendedor: é necessário ter uma visão clara e pessoal, que deve ser seguida em todos os momentos. Mesmo que todos duvidem e ninguém acredite muito nessa forma de ver as coisas.

3. “Office Space”

A motivação provem dos mais variados sítios, pode chegar através das perspetivas de futuro, como pode muito bem chegar através daquelas experiências pelas quais ninguém tem interesse em passar de novo. Este filme dá-nos os mais variados motivos para que nenhum empreendedor queira voltar à vida de funcionário por conta de outrem.

4. “The Aviator”

Este filme, que é uma autobiografia de Howard Hughes retrata muito mais do que apenas a vida pessoal do piloto e empreendedor. Este filme mostra igualmente todos os desafios experienciados por um dos comandantes da companhia aérea TWA.

5. “The Commitments”

Para além da banda sonora a merecer todo o destaque, o “The Commitments” mostra como a liderança de um idealista proporcionou que um grupo de jovens conquistasse muito mais do que alguma vez imaginaram.

6. “The Pursuit of Happyness”

O filme que tem como protagonista Will Smith apresenta um personagem que alcança o sucesso depois de se transformar num comercial de sucesso de uma enorme empresa do setor financeiro. No entanto, a história verdadeira de Christopher Gardner é que ele criou a sua própria empresa utilizando apenas as suas competências de vendas.

7. “The Social Network”

É muito difícil que exista alguém que seja utilizador da internet e que nunca tenha ouvido falar no nome de Mark Zuckerberg, o criador do Facebook. Este filme retrata o seu percurso de vida como empreendedor desde a criação da ideia até a estabilização da rede social no website que ela é atualmente.

Aliens invadem paragem de autocarro: Case Study de Marketing Digital

Alguns londrinos testemunharam invasões alienígenas, escaparam a tigres e a tentáculos gigantes que emergiam de uma janela de uma paragem de autocarro. Tudo parte de uma nova campanha de vídeo da Pepsi Max em parceria com algumas empresas de autocarros. Este estudo de caso serviu para analisar a forma como a marca de bebidas gerou 5 milhões de visualizações no YouTube em apenas quinze dias apartir de apenas um único upload  (e alguns truques de efeitos digitais) … :)

Como parte de sua campanha apelidada “Unbelievable“, a marca de bebidas instaladou numa paragem de autocarros em New Oxford Street, em Londres, uma camara com tecnologia digital, de frente para a rua. De dentro da paragem passava completamente despercebido, já que o display digital aparentava ser apenas um painel de janela de vidro.

Os diferentes efeitos foram, de seguida, colocados “em cima” desse painel, dando a ilusão de que algo surreal se passava e fazendo com que todos os que utilizavam a paragem tivessem todo o tipo de reações, desde parar, olhar, tirar fotos e até fugir!

Esta jogada de utilizar a realidade aumentada tornou-se rapidamente num sucesso com todos os que passavam a ficarem pasmados e/ou chocados ao lhes ser dada a oportunidade de experimentar e interagir com um mundo imaginário de uma forma nova e divertida.

 

Por que razão é essencial para qualquer clínica dentária estar no Facebook?

socialmediaManagerNo que toca a número de utilizadores, o Facebook é a maior rede social em Portugal. O que isto significa é que, garantidamente, a maioria dos pacientes que uma clinica tenha estão lá, mas estarão também muitas outras pessoas que podem muito bem vir a ser novos pacientes. Ou seja, esta é uma ferramenta perfeita para divulgar qualquer clinica dentaria, por exemplo, em lisboa.

Neste post, enumero alguns motivos pelos quais qualquer clínica dentária deve estar presente no Facebook:

Oferecer atendimento diferenciado

Via Facebook, é possível diferenciar a nossa clínica de outras clínicas dentárias. Isto porque esta rede social possibilita ficar a conhecer melhor o paciente e criar um atendimento mais personalizado, podendo dessa forma aumentar o seu nível de satisfação. E lembre-se: mais pacientes satisfeitos, resulta num maior número de indicações e recomendações.

Aperfeiçoar a comunicação

O Facebook oferece a possibilidade de criar canais de comunicação com os pacientes num ambiente descontraído e informal com o objetivo de esclarecer dúvidas e partilhar informações úteis. Mas atenção, não adianta “estar” apenas no Facebook, é preciso disponibilizar conteúdo útil e interessante para dessa forma conseguir chegar até aos seus potenciais pacientes. Algumas sugestões de conteúdos que podem ser utilizados são: curiosidades, dicas de higiene oral, etc.
À medida que os utilizadores vão interagindo com este conteúdo, é possível identificar quais são as temáticas que mais lhes agradam e chamam mais a atenção. A partir daí, podemos aprofundar o tema e assim conseguir oferecer algo (desconto, voucher) que os leve a marcar uma consulta.

Conquistar novos pacientes

É importante ter a noção de que nem todas as pessoas que fizeram “like” na página do Facebook se vão tornar pacientes. Apenas algumas delas acabarão por marcar consulta. É por isso importante identificar quais são os seguidores que mais facilmente se vão tornar pacientes e utilizar estratégias de marketing que os convençam a visitar a clínica.

Este processo poder ser lento e irá exigir estratégias diferentes, que vão depender da proximidade da pessoa na altura que estiver à procura da clínica.

Saber o custo de cada novo paciente

Quanto gastamos para que um seguidor da nossa página se transforme numa lead (um potencial paciente)? Qual é a taxa de conversão de leads em pacientes (quantos seguidores procuram efetivamente a clínica)? Ter estes números, permite que o proprietário da clínica e/ou o responsável de marketing, façam uma análise das estratégias que estão a ser utilizadas e melhorem os serviços. Ao dividir o número de novos pacientes pelo valor investido nas estratégias de marketing, é possível saber quanto custou cada um deles.

Trabalhar a imagem da clínica

Uma página no Facebook, como a da Dental Today, possibilita que a clínica tenha mais visibilidade e principalmente, permite construir uma imagem positiva aos olhos dos visitantes dessa mesma página. Mas é importante ter em conta que, o que se quer é uma página de empresa para a clínica e não uma página “normal” de utilizador. A página de empresa disponibiliza mais ferramentas de análise e controlo de cada passo da estratégia. Para além disso, oferece muito mais credibilidade e profissionalismo do que um perfil de utilizador normal.

No entanto, é necessário que correspondamos à imagem construída. Os pacientes criam expectativas e a clínica não pode defrauda-las. Por isso, é preciso criar uma marca atual, que transmita competência e segurança. Desta forma, vamos atrair pacientes e fidelizá-los.

8 dicas para abrir o seu próprio negócio sem largar o emprego

Ser um empreendedor pode ser uma tarefa muito complicada. Principalmente porque ao abrirmos uma empresa corremos um risco comum a todas as novas empresas; É impossível sabermos à partida se vamos ser bem sucedidos ou não! Por essa razão, manter o posto de trabalho no emprego é sem dúvida uma escolha mais realista. Sim, eu sei, a profissão que temos agora, seja programadores em Beja (o que eu era :) ) ou arquitectos em lisboa, não nos vai fazer ficar ricos! Mas afinal de contas, quando estamos a começar, temos de nos lembrar que ainda é essa profissão que nos paga as contas e por isso, até a nova “aventura” correr bem, é melhor jogar pelo seguro!

Segundo o empreendedor Ryan Robinson, na maioria dos casos é possível empreender sem deixar o trabalho. Assim, se a empresa der para o torto, ainda teremos uma fonte de rendimentos!
É importante salientar que alguns negócios requerem atenção exclusiva. Robinson sugere que, antes de se tentar ter duas profissões, o empreendedor estude sua situação e decida se é possível compatibilizar as duas atividades. Se for possível manter o seu trabalho de dia e empreender à noite (ou vice-versa), tanto melhor!

Aqui ficam as dicas:

1. Pergunte-se se ser empreendedor é efetivamente o que caminho que quer seguir
Ao conciliar trabalho com um negócio próprio, tem de se priorizar as duas atividades, em detrimento da vida pessoal. Não vale a pena comprometer-se a este desafio duplo se não estiver completamente convencido de que é isto que quer.

Ryan Robinson sugere que, para tomar uma decisão, o empreendedor deve tomar nota de todas as atividades e compromissos da sua agenda semanal. Depois, leia o que escreveu e reflita: Há alguma atividade mais importante do que o desejo de ser empreendedor. Se houver, talvez o melhor seja continuar apenas com o seu emprego.

2. Dominar os conhecimentos fundamentais
Quem gere uma empresa precisa de ter conhecimentos em muitas áreas. Não é fundamental ser um especialista nessas matérias, mas é preciso ter uma noção razoável. Isto para evitar que sejamos nós mesmos a razão do eventual fracasso do negócio. :)

Antes de abrir empresa, é importante tentar compreender alguns conceitos fundamentais sobre administração e gestão de pessoas. Não é preciso tirar um curso! Mas uma série de pequenas formações podem ajudar muito.

3. Valide as suas ideias
A inspiração para o início de um negócio vem normalmente de uma ideia base. Muitos empreendedores convencem-se de que têm projetos revolucionários nas mãos. O problema é que, muitas vezes, a ideia não é assim tão espetacular. Antes de abrir empresa, é importante validar a ideia de negócio: seja conversando com especialistas na área, com o potencial público-alvo e mesmo com amigos. É preciso perceber se existe realmente interesse nos serviços ou produto que pretendemos criar.

4. Ter alguma coisa que o diferencie
Para ultrapassar a concorrência, devemos ter algo diferente. Basicamente, temos duas opções: vender mais barato ou oferecer um serviço/produto melhor. Ao oferecer o mesmo que a concorrência, é mais difícil atrair e fidelizar clientes.

5. Delegar atividades
Numa empresa, não podemos fazer tudo sozinhos por duas razões principais: Porque não somos especialistas e porque vai faltar tempo para dar conta de tudo. Por esse motivo, é preciso ter funcionários ou mesmo outras empresas que ajudem na gestão da empresa. As áreas que serão delegadas devem ser selecionadas a partir do conhecimento que temos e do dinheiro que temos para despender para estes serviços.

6. Procurar feedback
Devemos tentar saber o que está a correr bem e o que precisa de ser corrigido e/ou melhorado na empresa. Para isso, é preciso ouvir os clientes. Disponibilize-se para os ouvir, seja através de um telefonema, um e-mail, ou mesmo as redes sociais. O importante é que todos os contatos sejam respondidos.

7. Dividir tarefas das duas empresas
Ryan Robinson assegura que empreendedores que ainda têm o seu emprego não podem tratar de assuntos relacionados com o seu próprio negócio durante o horário de trabalho. Ao não nos dedicarmos ao emprego corremos o risco de ficar desempregados. Posso dizer de experiência própria, que esta foi a minha maior dificuldade quando decidi ser empreendedor.

8. Deixar o emprego no momento certo
Ao decidirmos conciliar o emprego e o empreendedorismo, supõe-se que a prioridade é o sucesso do nosso próprio negócio, para assim, em determinado ponto, abandonarmos o nosso emprego.
Ryan Robinson afirma, no entanto, que a dedicação exclusiva à nossa própria empresa deve acontecer em dois casos: quando tivermos a convicção suficiente de que a sua empresa vai ter sucesso ou quando o retorno financeiro do negócio for suficiente para se tornar a única fonte de rendimento.

A partir do momento em que deixamos o emprego, é a altura de fazer crescer ainda mais a nossa empresa. Com dedicação exclusiva, passamos a ter mais tempo para melhorar processos e agilizar etapas.

 

5 livros que eu recomendo a quem quer começar uma startup

Se está a pensar em iniciar o seu próprio negócio, saiba que o primeiro passo é criar um planeamento adqueado. É durante essa planificação que o empreendedor avalia se a sua ideia é mesmo boa, se o público-alvo pagaria pelo produto ou serviço e a partir destas premissas, decidir como se irá colocar o plano em marcha.

Muitos empreendedores decidem muitas vezes atirar-se de cabeça para uma série de livros antes de iniciarem a aventura de abrir a sua própria empresa. E a verdade é que existem muitos livros que podem ajudar qualquer um a organizar os passos do plano, ajudar a compreender diferentes metodologias ou simplesmente a inspirar-se. A verdade é que as ideias chave por trás destes livros são completamente transversais a qualquer área de negócio, seja uma loja de gomas ou uma empresa de limpezas em lisboa.

Aqui fica uma seleção de cinco livros que considero obrigatórios se este é o ano em que finalmente vai abrir a sua startup.

  1. The Lean Startup, Eric Ries
    Considerado guru no universo das startups, Eric Ries é uma das melhores e maiores fontes no que toca ao conhecimento relativo à gestão em empresas de tecnologias. Neste livro, fala sobre temas como estratégias e ferramentas para fazer o negócio começar a “carborar” em menos tempo.
  2. The Startup Owner’s Manual, de Steve Blank e Bob Dorf
    Sair de casa, falar com pessoas e conhecer os clientes são os tópicos mais importantes da metodologia de Bob Dorf e Steve Blank. O livro é basicamente um guia que descreve passo-a-passo como compreender e trabalhar com clientes.
  3. The $100 Startup, de Chris Guillebeau
    As desculpas relacionadas com falta de capital inicial não são desculpa para não abrir um negócio. Neste livro, Guillebeau afirma que é possível ser empreendedor com pouco capital inicial. Depois de viajar pelo mundo, o autor partilha histórias de outros empreendedores que foram capazes de começar com pouco dinheiro, e como o compensaram com muita motivação.
  4. Business Model Generation, de Alexander Osterwalder
    O modelo Canvas é um dos mais conhecidos de todos os que pretendem abrir uma empresa. Com uma abordagem visual inovadora, este livro dá dicas e diretrizes para autenticar as ideias que o leitor já tem. A metodologia é descomplicada e ajuda muito quem esteja desfocado no início do projeto.
  5. The Four Steps to the Epiphany, de Steve Blank
    É uma das referências sobre criação de produtos e desenvolvimento do cliente. Também tem capítulos de ajuda para o empreendedor em termos de plano de negócios, marketing e vendas.

 

Todos os livros estão disponíveis em www.amazon.co.uk